De Autocaravana, tenho vindo a viajar ''cá dentro'' e pela Europa... para lá do Círculo Polar Àrtico - até ao Cabo Norte, onde vivenciei o ''Sol da Meia-Noite''.
Viajei em Autocaravana pelo Norte de Àfrica... (mais de uma vez), muito para lá do Trópico de Cancer... até à Guiné-Bissau.
Fui também por estrada à Àsia - Turquia e Capadócia, sendo que no regresso fiz a Croácia e dei um saltinho a Mostar e Saraevo na Bósnia-Herzegovina.
Sem pretensiosismo literário ou outros, apenas pela PARTILHA, dessas e outras viagens vou dando conta neste espaço.

Países visitados em Autocaravana: - EUROPA: ESPANHA – ANDORRA -FRANÇA-ITÁLIA-MÓNACO- REINO UNIDO - IRLANDA -HUNGRIA-REP.CHECA-SUÉCIA-ESLOVÉNIA - ESLOVÁQUIA- POLÓNIA-AUSTRIA-SUIÇA-ALEMANHA-BÉLGICA-HOLANDA-DINAMARCA-NORUEGA-FINLÂNDIA-ESTÓNIA-LETÓNIA-LITUÂNIA-BULGARIA - BÓSNIA HERZGOVINA- ROMÉNIA -GRÉCIA – CROÁCIA – LIENCHSTEIN – LUXEMBURGO – S.MARINO - VATICANO ÀSIA : -TURQUIA-CAPADÓCIA ÀFRICA: GUINÉ-BISSAU – CASAMANÇA – GÂMBIA – SENEGAL – MAURITÂNIA – SAHARA - MARROCOS

Outras viagens:RÚSSIA (Moscovo e S. Petesburgo) -AMÉRICA do NORTE:CANADÁ (Quebec-Ontário-Montreal-Otawa-Niagara falls) - EUA(Boston-Nova Iorque-Cap Kenedy-Orlando - Miami)AMÉRICA CENTRAL:CUBA (Havana - S. Tiago de Cuba - Trinidad - Cienfuegos - Varadero)- ÀSIA :CHINA (Macau-Hong Kong) - VIETNAM(Hanói-Danang-Ho Chi Min) -

domingo, julho 05, 2015

Tour de France... e não só... Parte II

Dia 2 de viagem – 3julho2015 – 6ª. feira
PALENCIA – Burgos – BRIVIESCA – LOS BARIOS DE BUREBA – POZA DE LA SAL
No início do dia que se previa quente, enquanto eu teclava no portátil, o Eduardo encaminhou-se para o centro histórico para a primeira visita da cidade.






O almoço seria partilhado a dois sob o toldo dos hotéis rolantes.
Após o repasto sob uma tarde quente mas algo ventosa, prosseguimos viagem até Burgos, e logo após fizemos pequeno desvio para a sede de concelho de Bureba a cidade de Briviesca.




Estacionamos na área de serviço para autocaravanas, ao lado da praça de touros e do complexo desportivo e de piscinas e visitamos o centro histórico da pequena terra recheado de património histórico.
Começamos a caminhada, pela pequena mas bela ‘Plaza Mayor’ em cujo centro está implantado o ‘coreto’ sob o qual jorram três pontos de água.
Visitamos a Igreja de Santa Maria, que milagrosamente tinha as portas ‘abertas’ mas interditas a visitas pois está em restauro. Um dos técnicos de restauro, fez de conta que não nos viu entrar e apreciamos a riqueza do seu interior.

Ficará para uma próxima passagem, a visita ao conjunto monumental de Sta Clara, cujo acesso é facultado na ‘Oficina de Turismo’, sendo que nesta igreja o retábulo é de uma riqueza incomensurável sua bela talha .






a vizinhança da AS para AC (zona desportiva e piscinas )
Uma pequena paragem na pequena localidade de Los Barrios de Bureba onde aguardamos uma meia hora para visitar o interior do templo dedicado a S. Pedro, que figura no retábulo da igreja do séc. XV.
No compasso de espera, um idoso que à porta de sua casa ansiava que o questionássemos, nos reafirmou que a igreja abriria para a missa da tarde.
Aproveitou para nos dizer que nos gostaria de mostrar algo interessante.

Convidados para entrar, vimos que o Sr. mostrava um ar muito feliz ao ver que apreciamos a sua arte ao fazer nascer uma moldura em talha para colocar a sua fotografia das bodas de ouro do seu casamento.


Ao sair da localidade, a uns quinhentos metros, surge uma pequena ermida românica fechada no último quarto do séc. XIV, sob  a advocacia de S. Fagún que não é visitável no seu interior despido.
A 'ermida'

A viagem terminaria em Poza de la Sal onde pensamos visitar as salinas.


As 'salinas' de Poza de Sal

Poza de Sal

Percorridos:

 Dia 3 de viagem – 4julho2015 – sábado
POZA DE LA SAL – OÑA – Cascatas de Tobera – FRIAS
Manhã cedinho, saltei da cama. Era suposto comparecer na ‘Oficina de Turismo’ para fazer a visita às salinas. Pensando melhor, a informação colhida de véspera levou-nos ao engano. Acontece que o nome da localidade, Poza de la Sal nos fez pensar que seria o mesmo que Salinas de Añana, mas… não é a mesma coisa… as ‘outras’ distam daqui 60 kms…
O local de pernoita... paredes meias com pequenas vivendas...

Então o que aconteceu? Muito simples, as gentes da terra, e os agentes de turismo, canalizam os turistas para as ‘suas’ salinas.
Mesmo assim, decidimos enveredar pelo duplo conhecimento, e aceitar a proposta da visita.






Poza de Sal
 Foi-nos proposto visitar no edifício do turismo uma exposição ( € 1,00) sobre o conhecido natural da terra, licenciado em Medicina mas que enveredou pela profissão de comentarista da natureza nas rádios e Tv’s do país vizinho de seu nome Félix Rodriguez de la Fuente, que faleceu nos princípios dos anos 80 numa expedição de TV no Alaska num acidente de helicóptero.




Ali aceitamos também a visita ao Centro de Intrepretação das Salinas ( € 2,50).
 À hora aprazada eu, o Eduardo e um jovem casal do País Vasco, fomos acompanhados pela competente guia ao Centro de Intrepretação.
A visita guiada no Centro Intrepretativo foi de importância notável para entendermos o espaço

 Aí fomos elucidados sobre a importância da origem das salinas de Poza de La Sal e questionados por nós sobre as diferenças entre estas e as de Añana entendemos que mesmo se aqui a recuperação foi modesta, a sua importância, contudo, é notória em relação às outras.
Essa explicação pode ser consultada na net, onde existem fontes que esclarecem a questão.
Trutas...
 Interessante toda a lição de história que nos foi transmitida nos 45 minutos da visita.
Logo de seguida, avançamos para o que resta à superfície, de tão importante filão de recursos em tempos idos.
O que resta das 'salinas'...




 Regressados à nossa unidade hoteleira rolante, tratamos de nos alimentar sob um calor forte.
Conforme a guia nos aconselhou, após o almoço,  a bordo da autocaravana, subimos a sinuosa estrada até ao castelo, de onde se vislumbra toda a região.
Castelo de Poza de Sal



Subida até ao topo...

Poza de Sal lá em baixo

Já em Õna
Já foi estação dos caminhos de ferro...

 O retorno, para nos dirigirmos à nova etapa, a localidade de OÑA.
 Aí chegados, estacionamos no segundo parque de estacionamento, paredes meias com a antiga estação dos caminhos de ferro desactivada.

 Daí saímos a pé ao centro histórico, onde visitamos Oña, que vive na sombra do seu opulento ‘Monasterio’, declarada Conjunto Histórico.
Visitamos primeiro a pequena mas bela Igreja gótica de San Juan.


 Por entre uma ‘canha’ no interior de um bar, avançamos para o Mosteiro Beneditino para visitar parte dele, mais propriamente a grandiosidade da igreja Abacial de San Salvador, que nos confirmou o seu esplendor económico e religioso: a sua espectacular Capela Maior, os seus panteões de reis, condes e infantas  de Castilla e Navarra, sua sacristia e o seu esbelto claustro gótico.















pequena pausa
O Eduardo nas suas deambulações conventuais...











Avançando por uma estrada local, já com vegetação verdejante, encontramos a uns 3 km de Frias, em Tobera, o conjunto da Ermida e o caminho descendente à margem do rio Molinar, em cujo percurso de quedas e cascatas  várias se banhavam os adolescentes e jovens de Frias.

Ermida de Tobera




as magníficas e refrescantes quedas 
Tobera, e as delícias dos adolescentes em tarde quente

Lindo



AS para AC de FRIAS

 À chegada a FRIAS, fomos acolhidos numa vasta área de serviço para autocaravanas sob o manto protector do conjunto muralhado de rara beleza.
Aproveitamos para numa caminhada de 1,5 km visitar e calcorrear a Ponte Medieval sobre o Rio Ebro cujo torreão ainda resiste.









Esta AS é paga... mas... não reparamos no aviso... pagaremos no Céu!
Percorridos: 648 Km ( Dia 38 Km )
AS Gps : N 42º 45’ 36.0’’  W 003º 17’ 45.6’’
Enviar um comentário